Parte Elétrica: Saiba o que deve ser revisado no seu automóvel

ElétricaSe a parte elétrica do seu carro anda apresentando problemas, é melhor você se prevenir e fazer uma boa revisão antes que o seu carro te deixe na mão. Falhas no comando ou panes no sistema são fatores que precisam ser levados a sério para garantir que o seu automóvel continue rodando perfeitamente.
Veja alguns componentes que não podem ser ignorados na hora da revisão elétrica:
Bateria:

É o principal componente do sistema elétrico do seu automóvel e o que mais necessita de atenção, pois é ela que faz a alimentação de todo o conjunto. Embora seja recomendado fazer sua troca a cada 4 anos, no melhor dos casos, é aconselhável que pelo menos uma vez ao ano seja feita uma checagem, para garantir seu bom funcionamento.

Iluminação e Sinalização:

As lâmpadas dos faróis, das lanternas e das setas são componentes do seu automóvel que precisam estar sempre funcionando, pois são elas que garantem segurança e cumprem o papel de auxiliar na comunicação com outros motoristas. Devem durar no mínimo 700 horas, conforme especificado por normas internacionais.

Alternador:

Se o seu carro apresenta variação na iluminação, dificuldade na hora de dar a partida ou se a luz de bateria no painel se mantiver acesa, é provável que o problema seja no alternador, porque é ele que mantém a bateria carregada quando o motor do automóvel está em funcionamento.

Periféricos:

Esse conjunto que pode ser composto por: vidros, travas, alarmes e sistema de som, são componentes que garantem o conforto do motorista e que também precisam de atenção, pois se não vierem de fábrica, precisam ser instalados por profissionais devidamente capacitados, para não se tornarem um fardo para o motorista mais tarde.

Seja no computador de bordo ou mesmo no painel do seu carro, fique atento às luzes que podem indicar falha no sistema elétrico e lembre-se sempre de fazer a revisão.

Saiba quando fazer a limpeza dos bicos injetores

BicosOs bicos injetores são responsáveis por inserir a quantia exata de combustível nos dutos do coletor de admissão, onde acontecerá sua queima. A válvula injetora é composta basicamente por uma bobina e uma agulha que, quando acionadas, permitem a passagem do combustível.

A pressão do combustível na válvula é fixa, ou seja, a única maneira de variar o volume injetado é aumentando ou diminuindo a quantidade de aberturas da agulha em função do tempo de injeção.

Com o passar do tempo, tanto a agulha quanto o orifício de passagem retém alguns resíduos existentes no próprio combustível, dificultando sua passagem e influenciando nas características físicas da válvula. Isso pode alterar o volume de combustível injetado nos dutos, comprometendo todos os componentes do motor do automóvel.

A gasolina é o combustível que mais deposita resíduos e o tempo certo para se fazer a limpeza nos bicos é aproximadamente de 30.000 Km.

Seguindo à risca o tempo certo de fazer a manutenção de cada item do seu carro, assim como a dos bicos injetores, você se previne e garante melhor desempenho do seu carro.

Mantenha as rodas alinhadas

AlinhamentoCom o objetivo de obter melhor dirigibilidade, maior eficiência do rolamento e otimização do grau de esterção (ato de virar o volante), o alinhamento é de extrema importância para o automóvel. E os fatores que podem provocar o desajuste no alinhamento do carro são: impactos, trepidações, desgastes na suspensão, entre outros.
Alguns itens podem anunciar a hora certa de fazer o alinhamento, confira:

Convergência:

É o ajuste das rodas do eixo direcional, para que elas fiquem mais fechadas na extremidade dianteira do que na traseira, evitando desgastes excessivos do pneu;

 Divergência:

É o oposto à convergência, ou seja, é o ajuste das rodas direcionais para que fiquem um pouco mais abertas na extremidade dianteira do que na traseira;

Cambagem:

Esse ajuste controla as características de rolamento das rodas, podendo ser positiva ou negativa. Ele é determinado pela inclinação da parte superior da roda, para dentro ou para fora do veículo, em relação a um plano vertical. Quando positiva, prejudica a parte externa do pneu e, quando negativa, a parte interna.

Caster:

A fim de proporcionar melhor dirigibilidade ao veículo, quando este estiver em movimento, o caster é a inclinação do pino mestre, ou do braço de suporte do eixo, para frente ou para trás com relação a um plano vertical. Caster desigual faz com que a roda puxe para um lado ocasionando um desgaste irregular.

Então, toda vez que for fazer a troca dos pneus ou quando sentir diferença no comportamento do carro, não deixe de fazer o alinhamento do seu automóvel.

Entenda como os filtros atuam no seu automóvel

Filtros

Ar, óleo ou combustível: a manutenção constante e correta nos filtros desses itens do carro pode garantir maior desempenho do motor e evitar certos problemas como maior esforço do motor, queda no rendimento do automóvel ou danos na injeção eletrônica. Cada filtro tem o seu tempo correto para ser trocado e depende do condutor manter a manutenção em dia. Veja qual a função de cada um deles.

Filtro de ar:

O filtro de ar é essencial para o bom funcionamento do automóvel, pois a sujeira ou avaria no filtro de ar aumenta o esforço feito pelo motor, refletindo diretamente no consumo de combustível.

Filtro de óleo:

Com a função de impedir que sujeiras passem pelos tubos do motor, a troca de óleo precisa ser feita entre os 5.000 Km e 7.500 Km ou a cada seis meses.

Filtro de combustível:

Tem a função de retirar as impurezas do “alimento” do carro e, se não for trocado regularmente, pode obstruir a passagem do combustível para o motor e danificar a injeção eletrônica do automóvel.

E você, sabe quando trocar cada filtro do seu carro?

Kit obrigatório: para que serve?

Kit ObrigatórioTodo o veículo possui um kit obrigatório de equipamentos que devem ser utilizados quando o carro apresentar algum problema nas ruas ou nas estradas. Esse kit é composto do estepe, triângulo, macaco e chave de roda. Cada um tem sua função específica e por isso, é fundamental mantê-los conservados.

Veja qual é função de cada um:

  • Estepe:

É na hora do aperto que ele mais faz falta. É indispensável que ele esteja calibrado e sem avarias.

  •  Triângulo:

Além de manter o pisca alerta do carro ligado, usar o triângulo garante maior segurança ao motorista e avisa aos demais que você está parado.

  • Macaco:

Ele é utilizado para erguer o veículo na hora da troca do pneu. Antes de usá-lo, certifique-se de que o freio de mão do carro esteja puxado e mantenha-o fixo.

  • Chave de roda:

Seja em formato de cruz ou em “L”, muitos deles vem com adaptador para servir como alavanca e poupar o esforço do motorista.

A falta do kit obrigatório é considerada uma infração gravíssima, resultando na perca de 7 pontos na carteira e em multa de R$ 191,54. Só a falta do estepe, por exemplo, gera perca de 5 pontos na habilitação e multa de R$ 127,69.

Por isso, mantenha o kit em ordem para não ser pego de surpresa!

Carros asiáticos são os preferidos dos brasileiros

jacOs veículos asiáticos estão em alta!

De acordo com um levantamento feito pela Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), os veículos chineses e coreanos são os preferidos dos brasileiros e estão presentes na lista dos dez automóveis importados mais comercializados no Brasil entre janeiro e junho deste ano.

Neste período, a fabricante Kia Motors vendeu mais 16 mil veículos no país, sendo que cerca de 4 mil brasileiros adquiriram o modelo Sportage. O J3, da Jac Motors, está em primeiro lugar com mais de cinco mil unidades vendidas.

É por isso que a Asiatica Automotive é um centro especializado em veículos asiáticos.  Trabalhamos com peças genuínas e paralelas de alta qualidade e com garantia específica de cada marca. Nossa equipe tem o compromisso de oferecer peças com o melhor custo-benefício, sempre atendendo com segurança, qualidade e desempenho.

Para conhecer nossos serviços, acesse o site: www.asiaticaautomotive.com.br

Estepe: algumas dicas para não ter surpresas com esse item

   Todo motorista acha que nunca usará o estepe, mas ninguém está livre de precisar recorrer a ele em algum momento. É preciso estar atento ao pneu reserva, para evitar que o momento de trocá-lo não seja ainda mais incômodo. Veja algumas dicas e evite surpresas:

estepe

  • Quando for calibrar os pneus, lembre-se também de calibrar o estepe uma vez por semana ou no máximo a cada 15 dias. O pneu reserva também perde pressão. Se tiver alguma dúvida, as informações sobre a pressão indicada estão no manual do proprietário do veículo.
  •  Se você equipou seu veículo com rodas de liga leve e deixou o estepe com rodas de ferro, é preciso carregar os parafusos específicos para esta roda, pois se precisar usar o pneu reserva e utilizar os parafusos de liga leve, poderá danificar o sistema de freio.
  • Nunca use como reserva pneus com cortes ou torturas, ele pode furar e aumentar o risco de acidentes. A roda também não pode estar trincada e nem amassada.
  • Lembre-se que os cinco pneus do carro devem ter profundidade mínima de 1,6 mm nos sulcos (aqueles frisos que indicam o desgaste da borracha). Isto faz parte de uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e pode resultar em multas. Por isso, não coloque pneu careca como estepe.
  •  Veículos que possuem o estepe menor do que as rodas normais, não podem rodar muito tempo com o pneu reserva. Procure um centro automotivo mais próximo, para consertar o pneu estragado ou trocá-lo. Enquanto estiver rodando com o pneu menor, evite altas velocidades.

 Gostou das dicas? Comente!

Você sabe as diferenças entre rodas de ferro e rodas de liga leve?

roodasAs rodas de liga leve são mais bonitas e mais caras do que as de ferro, especialistas afirmam que a maior diferença entre elas é o preço. Ambas são projetadas para aguentar estradas ruins, porém as rodas de ferro são mais pesadas, mas isso não interfere no desempenho do veículo.

Por isso, se você está em dúvida entre as rodas de ferro e as de liga leve pode escolher pela estética e pelo valor (desde que sejam rodas certificadas pelas montadoras), pois em termos de segurança e desempenho, elas são semelhantes.

As rodas de ferro ou aço são mais resistentes para fortes impactos, além da recuperação ser mais simples. O design das rodas de ferro costuma ser sempre o mesmo, este material não permite muita modelagem, por isso os modelos são mais simples.

Já as rodas de liga leve são fabricadas com materiais mais leves, como titânio ou alumínio, geralmente são mais bonitas e leves, o que permite uma maior variedade de tamanhos e cores. O aspecto negativo é que pela sua leveza, ela está mais sujeita a quebrar em pancadas mais fortes. Raramente uma roda de liga leve amassa, ela quebra e isso impossibilita seu uso. Há a possibilidade de consertar este tipo de material, mas as montadoras não recomendam por questões de segurança.

É preciso estar atento ao tamanho do aro indicado pela montadora, em alguns veículos é possível utilizar mais de um tamanho de roda, isto é essencial, pois se um veículo utilizar rodas de um diâmetro não recomendado pelos fabricantes, ele pode ter problemas na suspensão e um maior desgaste nos pneus.

Procure sempre centros automotivos especializados para avaliar a possibilidade de trocar as rodas com segurança e de acordo com as especificações do seu veículo.

Vai trocar as rodas? Fique atento aos parafusos

rodas-esportivasMuitos motoristas decidem substituir as rodas de ferro pelas rodas de liga leve, seja pela por beleza ou até mesmo pelas vantagens que trazem ao veículo, como a redução de peso, por exemplo.

Mas, além de escolher as rodas que estejam de acordo com o tamanho ideal para cada modelo, é preciso estar atento a mais um detalhe: os parafusos.

Talvez muitos motoristas não saibam, mas há diferença entre os parafusos das rodas de liga leve e as de aço. Enquanto nas rodas de aço o parafuso tem cerca de 3 milímetros de espessura, o da rodas de liga leve precisa ter uma espessura de quase 10 milímetros para suportar a carga aplicada nas rodas.

Se você utilizar parafusos das rodas de aço em um jogo de liga leve, eles não irão fixá-las de forma correta no veículo. Já nas rodas de aço, o parafuso maior das rodas de liga leve pode danificar o freio traseiro.

O ideal é utilizar os parafusos corretos e que estejam de acordo com o tipo de rodas escolhidas para o seu veículo. Fique atento e garanta a segurança sua e dos seus passageiros!

Como identificar os desgastes nos amortecedores?

1378734346meuautomovelamortecedor2Os amortecedores são as principais peças do sistema de suspensão do veículo, eles têm como função principal manter os pneus em contato com o solo. Por isso, se eles estiverem desgastados deixam o automóvel ‘’desconfortável’’, aumentando o risco de acidentes e ainda danificando outras peças, como pneus, buchas, coxins e molas.

O próprio motorista pode identificar alguns sintomas que indiquem o fim da vida útil dos amortecedores. Alguns deles são: uma demora maior no momento da frenagem, desgaste de pneus, sensação de oscilação da carroceria, vazamento de fluido na haste do amortecedor, balanço excessivo nas arrancadas, tendência de aquaplanagem em solo alagado e perda de aderência, ou seja, quando o motorista sente o veículo sair para o lado de fora nas curvas.

Quando os amortecedores estão desgastados ou danificados, podem oferecer diversos riscos ao veículo e a seus ocupantes. O ideal é fazer a revisão a cada 10 mil quilômetros e procurar centros automotivos especializados e de confiança, só assim é possível avaliar as condições dos amortecedores ou qualquer mudança de comportamento no automóvel.

Para manter as características do veículo, garantir a segurança e bom desempenho, deve-se instalar peças novas e nunca recondicionadas.

A Asiatica Automotive é um centro automotivo especializado em veículos asiáticos, nós trabalhamos com peças genuínas, originais e alternativas com alta qualidade e garantia.