A indispensável suspensão automotiva

Suspensão automotivaCom a função de maximizar o atrito entre o solo e o pneu, proporcionando maior estabilidade e conforto aos passageiros, a suspensão automotiva é composta por um conjunto de peças que basicamente envolvem mola e amortecedor. Entre os vários tipos existentes, os mais comuns são: a suspensão independente, MacPherson, triângulo duplo, multilink e barra de torção ou eixo rígido.

Nos primórdios da invenção do automóvel a existência desse sistema não era necessária, uma vez que os carros não ultrapassavam a velocidade de 30 Km/h. Existia apenas algumas poucas molas que asseguravam a absorção de impactos dos carros.

Mas, com a modernização dos automóveis, foi indispensável a criação de um sistema que diminuísse as vibrações e mantivesse os carros estáveis. Seu conjunto também pode variar, conforme o tipo do carro, por exemplo, os off-roads, que exigem uma atenção maior quanto a suspensão, para atender solos mais irregulares.

Por isso, sua manutenção se torna essencial para garantir não só o conforto, mas também para assegurar o bom desempenho do automóvel.

Nacional ou importado?

DoneSe você é um apaixonado por carro, sabe que na hora de comprar um automóvel, sua escolha não deve basear-se apenas na característica estética. Existe uma série de fatores que podem tornar a sua vida muito mais simples. Optar por um carro fabricado no Brasil garante algumas vantagens, porém os importados também possuem particularidades que não devem ser ignoradas.

O primeiro fator a ser determinado será o poder aquisitivo de cada pessoa e a partir daí as vantagens e desvantagens devem ser levadas em consideração. Carros fabricados em outros países, por exemplo, oferecem equipamentos de segurança mais eficientes e proporcionam maior conforto. Em contrapartida a manutenção desses carros costuma ser mais complexa pelo fato das peças de reposição não serem encontradas tão facilmente quanto as dos modelos nacionais.

É claro que um carro importado, além de notável, possui itens de fabricação mais completos, enquanto um nacional oferece maior demanda de mercado. O que vai depender mesmo é o gosto do proprietário e sua disposição quanto a particularidade que cada modelo possui.

Os mais confiáveis do mundo

ConfiabilidadeA revista americana Consumer Reports fez um estudo sobre os carros mais confiáveis do mundo e destacou que os automóveis fabricados pelas marcas asiáticas continuam sendo os melhores. Para obter esses dados, foram entrevistados mais de 1 milhão de proprietários de veículos.

Ocupando o topo da lista estão as japonesas Lexus, Toyota e Acura, provando que os nipônicos são realmente bons em transmitir confiança aos clientes. Em seguida vem a Audi que ganhou quatro posições em relação ao ano passado e logo após aparecem as marcas Mazda, Infiniti, Honda e Subaru. A lista termina com a Volvo e a GMC da General Motors.

Esse estudo revela que as marcas asiáticas possuem as características necessárias para satisfazer os clientes e suprir suas necessidades quanto ao desempenho, mecânica, conforto e sofisticação.

Top 5 das melhores estradas brasileiras

Estrada tapeteSe você costuma pegar estrada frequentemente, sabe que é preciso muita paciência para lidar com os problemas existentes em algumas rodovias. Seja com a sinalização ou com o pavimento, esses inconvenientes podem causar danos ao seu veículo e pior ainda, provocar graves acidentes. Todo cuidado é pouco e nem todas as rodovias são assim tão ruins. Segundo a CNT (Confederação Nacional do Transporte), as estradas em melhor condição no Brasil, são privatizadas.
Confira o top 5 das melhores estradas brasileiras:

  • 1º – SP-310 (Rodovia Washington Luís)/BR-364 e SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes), localizada entre São Paulo e Limeira e concessionada pela CCR Autoban;
  • 2º – BR-050, SP-330 (Rodovia Anhanguera)/BR-050, entre São Paulo e Uberaba (MG);
  • 3º – Entre Campinas e Jacareí, concessionada pela Rota das Bandeiras;
  • 4º – Localizada entre São Paulo, Itaí e Espírito Santo do Turvo;
  • 5º – SP-225 (Rodovia João Mellão)/BR-369, entre Bauru e Itirapina.

O estado de São Paulo obteve as melhores colocações mas, no geral, o país ainda precisa modernizar muito seus sistemas de gerenciamento para poder oferecer a toda a população estradas de boa qualidade. Ainda segundo a CNT, 63,8% das estradas brasileiras apresentam problemas, um índice realmente preocupante.
Montagem estradas

E para você? Quais são as melhores e piores rodovias do país?

O perigo de dirigir em ponto morto

DescidaSe você é daqueles que costumam pegar o carro e seguir para o litoral e sempre que surge uma oportunidade e desce a serra em ponto morto para economizar combustível, é bom ficar atento aos riscos que você está se expondo. Além de ser considerada uma infração média pelo Código Brasileiro de Trânsito, resultando em uma multa de R$ 85,13 e  4 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), essa ação traz riscos por diversos motivos, que você confere aqui neste post.

Quando o carro está desengatado, a comunicação entre o motor e a direção fica interrompida, pois é a embreagem que assume a função de transmitir esse contato, deixando o carro solto ou como costumam dizer, “bobo”. Embora haja a falsa sensação de controle, pelo simples fato de que o carro continua em movimento, essa ação pode superaquecer as pastilhas de freio e comprometer todo o sistema, pois a frenagem é o único controle que o motorista realmente terá sobre o automóvel.

A marcha engrenada também pode servir como garantia de segurança todas as vezes que você precisar estacionar seu carro em uma ladeira ou declive, caso o freio de mão venha a falhar. Por tanto, não arrisque a sua segurança e a de seus passageiros. Garanta maior vida útil do sistema de transmissão e frenagem do seu automóvel.

Se for viajar, vá consciente e não se arrisque.

Conheça algumas dicas para economizar no combustível do seu carro

Economia combustível

Se você anda procurando alternativas para melhorar seu orçamento, saiba que você pode começar essa tarefa reduzindo o consumo de combustível do seu automóvel e não é arrumando meios alternativos de locomoção. Existem algumas medidas que fazem a diferença. Confira:

  • Velocidade:

Manter a aceleração constante é uma boa maneira de economizar. Além disso, a troca de marcha mais suave e leveza no pé na hora de acelerar também garantem maior economia no combustível e previnem o desgaste do motor. No semáforo, por exemplo, evite ficar acelerando e se possível diminua gradativamente a velocidade do carro se você observar que o trânsito logo à frente está parado.

  • Carro desengatado:

O hábito de aquecer o motor do carro logo pela manhã ou nos dias de frio está ficando cada vez mais obsoleto. Isto porque os novos modelos de carros contam com injeção eletrônica, tornando esse hábito desnecessário. Mesmo para os modelos flex, a a única recomendação é ficar atento ao tanquinho de partida a frio.

  • Ar-condicionado:

O ar-condicionado do seu automóvel é operado pelo motor, portanto seu uso constante pode influenciar diretamente no consumo de combustível. Não faça do seu uso um hábito e procure utilizar somente quando for realmente necessário.

  • Bagagem:

Evite encher o carro com peso excessivo. Quanto mais pesado estiver o automóvel, mais força o motor terá de fazer para mantê-lo em movimento e consequentemente haverá maior consumo de combustível. Você pode conferir o manual do proprietário para saber qual é o peso máximo que o seu carro pode carregar e se prevenir.

São pequenas ações que podem contribuir para a o melhor desempenho do seu automóvel e garantir à você maior economia na hora de rodar por aí.

Saiba quais são as vantagens da cristalização automotiva

CristalizaçãoCom o propósito de melhorar o aspecto do seu automóvel, removendo a pintura oxidada e dando maior brilho por mais tempo, a cristalização automotiva consiste em um polimento a base de teflon, dando resultado superior se comparado ao feito com cera. Além das vantagens estéticas, a cristalização protege o carro dos raios solares e da poluição que agridem a lataria.

Apenas profissionais experientes e capacitados podem oferecer esse serviço, que exige muito mais do que bons produtos: é preciso atender todas as especificações e dar atenção a todos os detalhes para que a pintura do carro não seja danificada. Nos veículos novos, por exemplo, a aplicação de uma resina de proteção é fundamental eevita que a pintura perca o brilho após as lavagens.

Veja quais as vantagens da cristalização:

  • Proteção de raios ultravioletas;
  • Remoção de pintura oxidada;
  • Dispensa a utilização de cera por cerca de um ano;
  • Melhora a estética: realça cor, lustra e dá brilho superior ao original;
  • Valorização do automóvel na hora da venda;
  • Preenche poros microscópicos, assim como arranhões e rachaduras.

Para quem é apaixonado por carro e gosta de manter o visual da máquina impecável, a cristalização é a opção ideal.

Troca de óleo: quando fazer?

Tróca de óleoAlgumas manutenções do automóvel requerem uma atenção especial. A periodicidade na troca de óleo é uma delas e exige do motorista tempo e disposição, no entanto ela é de extrema importância para o bom funcionamento do carro, pois atenua os efeitos causados pelo atrito das peças dentro do motor. Se você possui dúvidas sobre quando fazer a troca, aqui vão algumas dicas que podem ajudá-lo a compreender como ela funciona, veja:

  • Quando fazer:
    O manual do proprietário deve fornecer a informação exata sobre a hora certa de fazer a troca de óleo, sendo que o tempo pode ser especificado segundo dois fatores:

– Uso normal, quando o motorista costuma trafegar em velocidade constante, normal em percursos longos;
– Uso severo, para veículos que trafegam em estradas acidentadas ou em grandes centros urbanos.

  • Periodicidade:
    É importante fazer a troca constante do óleo, pois ele possui um prazo de vida útil e, conforme o tempo passa, fica espesso e acumula sujeira, o que pode trazer diversos danos ao veículo.
  • Sintético ou mineral:
    A diferença entre eles está na obtenção de cada um. Os óleos sintéticos são gerados por processos químicos o que garante mais desempenho ao automóvel, enquanto os minerais são extraídos da separação de componentes do petróleo. Não é recomendável a mistura desses dois tipos de óleo para não prejudicar o motor.
  • Óleo de freio:
    O período de troca do óleo de freio é mais longo que o do motor, podendo ser entre 40 mil Km ou a cada 2 anos (o que vier primeiro). É ele que vai garantir, junto com itens como pastilha de freio e o disco, que o sistema de frenagem funcione perfeitamente.
  • Fluido hidráulico:
    É preciso manter o fluído hidráulico sempre no nível especificado para evitar que a direção gire com facilidade e evite que ela trave.

Seguindo essas especificações e mantendo constante a troca de óleo, você se livra de problemas com o motor e o seu automóvel agradece.